O pai de Sarah e Jacob Hoggle, que tinham três e dois anos quando foram vistos pela última vez em 2014, diz que seria “completamente inaceitável” se um juiz do Condado de Montgomery, Maryland, conceder uma moção à defesa para que as acusações de assassinato contra Catherine Hoggle sejam retiradas.

Na sexta-feira passada (10), ao apresentar o pedido à Justiça, o advogado Catherine, David Felsen, disse que a lei de Maryland dita que as acusações sejam retiradas contra um réu que foi determinado como sendo incompetente para ser julgado por cinco anos.

“Você tem alguém que matou dois filhos, que pode se safar e nem sequer ser julgado por isso”, lamenta Troy Turner, pai de Sarah e Jacob. Turner também tem outro filho com a acusada.

Catherine foi presa em setembro de 2014 e acusada de delitos relacionados ao desaparecimento de Sarah e Jacob. Em 2017, ela foi indiciada por assassinato, apesar de a polícia e os promotores não terem provas forenses para demonstrar que as crianças estão mortas.

Publicidade
CCA idiomas

A mulher foi declarada incompetente pela primeira vez para ser julgada por um juiz da comarca em 10 de janeiro de 2015. Cinco anos depois, Felsen apresentou a moção, argumentando que o juiz da Corte do Circuito, Robert Greenberg, deveria retirar as acusações ou realizar uma audiência preliminar antes da audiência programada para o dia 18 de fevereiro.

Os promotores do Condado de Montgomery ainda não apresentaram uma moção contra o pedido da defesa. Turner e os promotores afirmam que a acusada está fingindo e exacerbando a extensão de sua doença mental. “Não questiono que ela tenha doença mental. Questiono o fato de ela ser competente para ser julgada”, afirma Turner.

(Com informações de WTop)

Publicidade
CCA idiomas