As manifestações sobre a derrota do presidente Donald Trump nas urnas resultaram em acusações contra quase duas dúzias de pessoas em DC, incluindo uma pessoa acusada de detonar fogos de artifício e quatro pessoas acusadas de um ataque que deixou a vítima inconsciente na rua.

As prisões ocorreram durante e depois que manifestantes e opositores se enfrentaram no sábado (14) no noroeste de Washington. Milhares se reuniram durante o dia em apoio a Trump, cuja comitiva passou rapidamente pelos manifestantes reunidos no sábado de manhã a caminho do clube de golfe do presidente no norte da Virgínia.

Os apoiadores de Trump marcharam da Freedom Plaza até o prédio da Suprema Corte, em frente ao Capitólio. Suas atividades e as dos opositores tornaram-se cada vez mais tensas e tomaram um rumo violento no início da noite.

Vídeos postados nas redes sociais mostraram vários incidentes de empurrões e socos, bem como uma explosão de fogos de artifício e um homem empurrando e derrubando uma pessoa antes de ser empurrado e socado por outros até ficar inconsciente.

Um homem de 26 anos do Distrito de Columbia foi acusado de agressão com arma perigosa após disparar os fogos de artifício contra várias pessoas, disse o Departamento de Polícia Metropolitana em um comunicado à imprensa nesse domingo (15).

Publicidade

Quatro pessoas, três delas confirmadas como residentes do distrito, foram presas por várias acusações relacionadas a um homem ter sido deixado inconsciente e depois atacado por outros.

A polícia também informou que uma vítima de esfaqueamento foi tratada em um hospital por ferimentos que não ameaçavam a vida. Quatro policiais ficaram feridos em resposta aos protestos e oito armas de fogo foram recuperadas, segundo o departamento.

Pelo menos dez dos presos eram do Distrito de Columbia, enquanto outros vieram dos vizinhos Maryland e Virginia. Alguns dos presos eram de Nova York, Nova Jersey, Carolina do Sul e Geórgia, e mais suspeitos estavam sendo procurados enquanto as autoridades analisavam as imagens de vigilância.

(Com informações de Associated Press)

Publicidade