A Universidade George Washington, em Washington, DC, está entre os 90 locais do país que conduzirão testes com uma vacina experimental contra Covid-19. Conforme um comunicado divulgado nessa segunda-feira (27), a instituição vai participar de um ensaio clínico de Fase 3 da vacina mRNA-1273, co-desenvolvida pelo Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID), cientistas e a empresa de biotecnologia Moderna, Inc.

A vacina usa um mensageiro químico, chamado ácido ribonucleico ou RNA, que instrui as células do corpo a criar uma proteína para imitar uma encontrada na superfície externa do vírus causador da Covid-19. Os cientistas esperam que as injeções estimulem o corpo a montar uma resposta imunológica que proteja contra o novo coronavírus.

“A Covid-19 é um dos maiores desafios de saúde pública do nosso tempo e é da maior importância encontrar uma vacina segura e eficaz. Estamos orgulhosos de desempenhar um papel na rede de pesquisadores que trabalham para reduzir o impacto desta doença mortal”, afirma David Diemert, o principal cientista do estudo clínico da GW.

Os pesquisadores pretendem inscrever 500 participantes no ensaio clínico da universidade. Haverá um total de 30 mil voluntários em todo o país. Os participantes devem ter pelo menos 18 anos de idade e cerca de um quarto do total terá 65 anos ou mais, ou tendo idade menor que 65 anos terá pelo menos uma doença crônica, como patologia cardíaca, obesidade grave ou diabetes, para testar a eficácia da vacina entre as populações atualmente em alto risco de sofrer complicações ou morte se contraírem o novo coronavírus.

Publicidade

Os pesquisadores também esperam incluir um grupo diversificado de participantes de comunidades que foram desproporcionalmente impactadas pela Covid-19. As pessoas que participarem dos testes receberão duas injeções, espaçadas em um mês. Como medida de controle, metade delas receberá um placebo salino. Todos os participantes serão monitorados quanto a sintomas, efeitos colaterais e Covid-19.

Segundo a GW, os pesquisadores acompanharão regularmente os participantes por dois anos após a segunda dose da vacina. Quem quiser participar do ensaio clínico pode clicar aqui para obter mais informações.

(Com informações de NBC Washington)

Publicidade