Fevereiro é historicamente o mês de pico para doenças relacionadas à gripe e há uma preocupação crescente entre as autoridades de saúde em relação à doença. Enquanto o mundo teme o surto de coronavírus, a influenza tem uma das temporadas mais ativas dos últimos anos nos Estados Unidos.

Com base nos dados de vigilância de mortalidade do Centro Nacional de Estatísticas da Saúde (NCHS) disponíveis em 6 de fevereiro de 2020, 7,1% das mortes ocorridas durante a semana que terminou em 25 de janeiro de 2020 (semana 4) foram devidas à pneumonia ou à influenza.

Durante a temporada 2019-2020, já houve 78 mortes pediátricas associadas à influenza. E as doenças relacionadas à gripe estão aumentando também em algumas partes da área de DMV.

O Departamento de Saúde de Maryland informou que, na semana passada, o estado recebeu mais relatos de pacientes por doenças semelhantes à gripe do que em qualquer outra semana nos últimos quatro anos.

Seus dados mostraram que as hospitalizações diminuíram um pouco, durante esse período. Até agora, Maryland já viu 22 mortes de adultos e três mortes pediátricas, segundo o relatório.

Publicidade

Já a Virgínia registra 773 mortes relacionadas à gripe em adultos nesta temporada, mas não teve mortes em pediatria. A atividade da gripe na Virgínia foi listada como difundida nas últimas dez semanas, segundo o Departamento de Saúde do estado, que o relatório mostra ter iniciado mais cedo que na última temporada.

O Departamento de Saúde de DC não disponibilizou ao público dados sobre mortes de adultos relacionadas a complicações da gripe, mas relata zero mortes pediátricas nesta temporada.

“Podemos dizer que está no caminho de ser pelo menos tão ruim quanto as piores duas temporadas que tivemos nos últimos dez anos”, afirma o médico Anthony Fauci, do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas.

Os Centros de Controle e Diagnóstico de Doenças (CDC) relata que, em termos de gravidade geral, que é determinada por hospitalizações e mortes, esta temporada ainda não atingiu um nível severo. Ainda assim, o site do centro diz que é melhor estar preparado com a vacina contra a gripe – e não é tarde para buscar a imunização, sobretudo de crianças e idosos.

(Com informações de WUSA)

Publicidade