O presidente Donald Trump e o desafiante democrata Joe Biden discutiram sobre como domar o coronavírus furioso durante o debate de encerramento da campanha, dessa vez amenizando o rancor que ofuscou seu confronto anterior em favor de uma troca mais substantiva, que destacou suas abordagens muito diferentes para os principais desafios internos e externos que o país enfrenta.

O presidente republicano declarou que o vírus, que matou mais de mil americanos apenas nessa quinta-feira (22), “irá embora”. Biden rebateu que a nação caminhava para “um inverno sombrio”. “Qualquer pessoa responsável por tantas mortes não deve permanecer como presidente dos Estados Unidos da América”, disse o ex-vice-presidente.

Faltando menos de duas semanas para a eleição, Trump se retratou como o mesmo estranho que apresentou aos eleitores pela primeira vez há quatro anos, dizendo repetidamente que não era um político. Biden, por sua vez, argumentou que Trump era um líder incompetente de um país que enfrentava múltiplas crises e tentou conectar o que ele via como falhas do presidente à vida cotidiana dos americanos, especialmente no que diz respeito à pandemia.

O presidente, que prometeu uma vacina dentro de semanas, disse que os piores problemas estão em estados com governadores democratas, uma disputa em desacordo com o aumento de casos em estados que votaram em Trump em 2016. Biden, por sua vez, prometeu que seu governo passaria aos cientistas a luta contra a pandemia e disse que a abordagem divisionista de Trump sobre os estados em sofrimento dificultou a resposta da nação.

Publicidade

Depois de um primeiro debate definido por interrupções raivosas, o evento dessa quinta-feira apresentou um tom mais ameno. E em uma campanha definida por terríveis ataques pessoais, a noite apresentou uma quantidade surpreendente de debates políticos substanciais, enquanto os dois divergiam agudamente sobre meio ambiente, política externa, imigração e justiça racial.

O debate, moderado por Kristen Welker da NBC, foi a última chance para os candidatos à presidência apresentar suas propostas a uma audiência de televisão de dezenas de milhões. Mais de 47 milhões de votos já foram expressos e há menos eleitores indecisos do que em anos anteriores.

(Com informações da Associated Press)

Publicidade