O julgamento de Donald Trump no Senado começa nesta terça-feira (21), com a Casa Branca afirmando que o presidente não fez “absolutamente nada de errado” e os democratas da Câmara argumentando que sua equipe jurídica está “completamente errada”. A questão altamente controversa sobre se as testemunhas serão ouvidas também está longe de ser resolvida.

Apesar das fortes diferenças jurídicas e políticas ocorridas no Capitólio, todos os 100 senadores devem se sentar respeitosamente no plenário, no processo dirigido pelo presidente da Suprema Corte, John Roberts.

O julgamento está programado para começar todos os dias às 13 horas. No primeiro dia, os senadores precisam concordar com as diretrizes básicas do julgamento, que serão definidas pelo líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, em uma resolução organizadora.

O líder da minoria no Senado, Chuck Schumer, deixou claro que planeja pedir votos para exigir que quatro atuais e ex-funcionários da Casa Branca testemunhem, incluindo o ex-assessor de segurança nacional, John Bolton, e o chefe interino da Casa Branca, Mick Mulvaney.

Os democratas precisam de quatro republicanos para se juntar a eles para obter os 51 votos necessários, o que não é provável que aconteça quando o julgamento começar.

Roteiro

McConnell disse que planeja seguir o roteiro do julgamento de impeachment do ex-presidente Bill Clinton, no qual uma votação sobre as testemunhas foi feita mais tarde no julgamento. O Senado concordou por unanimidade sobre a estrutura do julgamento de Clinton, o que não é esperado desta vez.

As declarações de abertura começarão assim que a estrutura do julgamento for acordada. Se os legisladores chegarem a um acordo nesta terça-feira, isso significaria declarações de abertura a partir de quarta-feira (22).

Argumentos

Cada lado terá até 24 horas para apresentar seus argumentos, embora não precisem usar todas as horas alocadas. Houve uma discussão sobre a possibilidade de dividir esse tempo em dois dias de 12 horas, o que poderia significar procedimentos que se estendiam até a noite, possivelmente à 1 da manhã. Mas ainda não está claro se isso ocorrerá.

Publicidade

A Casa Branca expôs os argumentos que sua equipe jurídica planeja apresentar, em um resumo apresentado nessa segunda-feira (20), que afirma que as duas acusações que o presidente enfrenta – abuso de poder e obstrução do Congresso – não são crimes passíveis de punição.

O caso dos democratas na Câmara argumenta que o presidente “usou seus poderes oficiais para pressionar um governo estrangeiro a interferir nas eleições dos Estados Unidos, para seu ganho político pessoal” e que então tentou encobrir o esquema, que envolvia a Ucrânia e seu novo presidente.

Duração

Ainda não se sabe quanto tempo durará o julgamento, especialmente até que a questão das testemunhas seja decidida.

A Casa Branca às vezes disse que espera que o julgamento termine com a absolvição de Trump em cerca de duas semanas. Mas se houver os depoimentos das testemunhas, o julgamento poderá durar muito mais tempo. O julgamento de Clinton durou cinco semanas. É possível que esse julgamento se estenda até o fim de fevereiro.

Votação

As votações serão realizadas em cada um dos artigos individuais de impeachment. É esperado que Trump seja absolvido, já que a cassação exige uma votação de dois terços do Senado, de maioria republicana. Se ele for condenado por qualquer um dos artigos, será forçado a deixar o cargo.

Nenhum presidente dos EUA, incluindo Clinton e Andrew Johnson, foi condenado e perdeu o cargo. Mas Johnson evitou a condenação por um voto. Trump é o primeiro presidente a passar por um julgamento no Senado por impeachment enquanto busca a reeleição.

(Com informações de WTop)

Publicidade
CCA idiomas