Medidas abrangentes de controle de armas obtiveram aprovação de um comitê do Senado da Virgínia nessa segunda-feira (13), enquanto centenas de ativistas dos direitos das armas apareceram para tentar lutar contra elas.

O xerife do condado de Culpeper foi um dos primeiros a falar contra as propostas na reunião do Comitê Judiciário do Senado, pedindo aos parlamentares democratas que não as aprovassem. “Não estamos pedindo controle de armas e vocês não obtiveram mandato, quando foram eleitos em novembro, pela Segunda Emenda”, disse o xerife Scott Jenkins.

Nas votações, os democratas do comitê aprovaram o limite de compra de uma arma por mês, verificação universal de antecedentes para venda de armas, uma lei de bandeira vermelha para apreender armas daqueles que representam um perigo e permitir que os governos locais proíbam armas em determinados eventos.

Uma medida para proibir a venda e posse de armas de assalto foi retirada da mesa. “Na cidade de Alexandria, eles não querem AR-15 no mercado de agricultores”, disse o senador Scott Surovell, do Condado de Prince William.

Publicidade

“A Virgínia falou alto e claro que é isso que queremos na eleição, e 90% de nós apoiam as verificações de antecedentes, por exemplo, portanto, embora existam centenas aqui, os cidadãos falaram o que pensavam durante a eleição, e não há nada com que se preocupar, se você não é um criminoso”, disse Karen Vaught, voluntária da Moms Demand Action.

Mas os proprietários de armas reclamam que as leis prejudicariam mais os cidadãos cumpridores da lei do que os criminosos. Alguns dos debates mais acalorados foram sobre leis de bandeira vermelha.

As medidas aprovadas nessa segunda-feira seguem tramitando no Senado. Projetos semelhantes serão propostos e votados na Câmara também. Ativistas dos direitos das armas esperam poder convencer os democratas na zona rural da Virgínia a votar contra as medidas.

(Com informações de NBC)

Publicidade
Curso de inglês