Um alto funcionário brasileiro que participou de eventos de fim de semana com o presidente Donald Trump na Flórida deu positivo para o coronavírus, marcando a primeira vez que alguém infectado pelo vírus esteve próximo do presidente. De acordo com a Casa Branca, Trump não planeja ser testado ou entrar em quarentena.

O diretor de comunicações do presidente brasileiro Jair Bolsonaro, Fábio Wajngarten, testou positivo poucos dias depois de viajar com Bolsonaro para uma reunião com Trump e assessores seniores na Flórida. A secretária de imprensa da Casa Branca, Stephanie Grisham, disse em comunicado na quinta-feira, dia 12, que “as exposições do caso estão sendo avaliadas, o que ditará os próximos passos”.

“Tanto o presidente quanto o vice-presidente quase não tiveram interações com a pessoa que deu positivo e não precisa ser testada no momento”, garantiu Grisham.

Wajngarten se juntou a Bolsonaro em uma viagem de três dias aos EUA e no sábado foi no clube Mar-a-Lago de Trump, onde ele postou uma foto de si mesmo posando ao lado de Trump. Um vídeo do evento também o mostrou de pé diretamente atrás de ambos os presidentes, enquanto se dirigiam a uma multidão. Bolsonaro e Wajngarten mais tarde participaram de uma festa de aniversário de Kimberly Guilfoyle, que está namorando o filho do presidente Donald Trump Jr.

Parlamentares em quarentena

Enquanto Trump não parece preocupado com o contato com o vírus, dois parlamentares republicanos anunciaram que se auto-colocarão em quarentena por duas semanas após entrar em contato com a delegação de Bolsonaro. O senador republicano Rick Scott, da Flórida, que conheceu Bolsonaro em Miami, e a senadora da Carolina do Sul Lindsey Graham, que esteve em Mar-a-Lago no sábado, anunciaram quinta-feira que se isolarão.

O escritório de Graham disse que ele havia sido testado para o coronavírus e estava aguardando o resultado.

A reunião de Mar-a-Lago também incluiu a filha de Trump, Ivanka Trump, genro Jared Kushner, advogado pessoal de Trump Rudy Giuliani, ministro das Relações Exteriores do Brasil Ernesto Araujo e filho de Bolsonaro, Eduardo, que é um deputado federal, entre outros. O vice-presidente Mike Pence foi a Mar-a-Lago naquela noite.

“Jantamos na Flórida em Mar-a-Lago com toda a delegação”, disse Trump a repórteres quinta-feira no Salão Oval. “Não sei se o assessor de imprensa estava lá. Mas não fizemos nada muito incomum”, relatou o presidente norte americano.

O Comando Sul dos EUA, que Bolsonaro visitou no domingo, disse que não tem casos do vírus. A Southcom, responsável pelas forças americanas no hemisfério sul, está sediada em Miami e é liderada pelo almirante Craig Faller. Um comunicado divulgado quinta-feira disse que Faller não apresentou nenhum sintoma do vírus e não foi testado.

Publicidade
Curso de Inglês Marcondes

A exposição confirmada ocorre depois que Trump esteve em contato repetido com pessoas que tiveram contato com pessoas que deram positivo para o vírus. O recém-nomeado chefe de gabinete de Trump, Mark Meadows, emergiu da auto-quarentena na quinta-feira. O deputado republicano Matt Gaetz, da Flórida, viajou de volta a Washington com Trump no Air Force One na segunda-feira, mas isolou-se no voo depois de ser informado de que estava em contato com uma pessoa que mais tarde foi confirmada como portadora do vírus.

Não ficou claro imediatamente quais precauções a Casa Branca estava tomando para proteger o presidente do vírus. Na quarta-feira, Trump cancelou sua viagem política nas próximas semanas, mas ignorou o conselho de profissionais médicos e de saúde pública de parar de apertar as mãos.

Grisham disse em comunicado que “a Unidade Médica da Casa Branca e o Serviço Secreto dos Estados Unidos têm trabalhado em estreita colaboração com várias agências para garantir que todas as precauções sejam tomadas para manter a Primeira e a Segunda Famílias e todos os funcionários da Casa Branca saudáveis”.

Grisham disse que, de acordo com as diretrizes dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, “atualmente não há indicação para testar pacientes sem sintomas, e apenas pessoas com exposição prolongada a casos positivos confirmados devem se auto-colocar em quarentena”.

Cuidados à saúde de Bolsonaro

Wajngarten inicialmente negou que havia sido testado para o vírus, dizendo em sua conta de mídia social que sua saúde estava boa. Porém, uma declaração do escritório de comunicações de Bolsonaro na quinta-feira disse que os resultados dos testes de Wajngarten voltaram positivos e que a presidência estava adotando medidas preventivas para garantir a saúde de Bolsonaro. O diretor de comunicações agora está em quarentena em casa, de acordo com o comunicado.

O filho de Bolsonaro confirmou em um tuíte que seu pai havia sido testado para o coronavírus e disse que não está apresentando sintomas.

A saúde de Bolsonaro tem sido um foco desde 2018, apunhalando a trilha da campanha. Desde a tentativa de assassinato, ele já foi submetido a quatro cirurgias, com uma quinta prevista. Em dezembro, ele foi levado ao hospital depois de entrar no banheiro da residência presidencial e bater com a cabeça.

 

(Com informações de Associated Press)

Publicidade
Curso de inglês