Uma empresa de construção do norte do Texas pagará US$ 3 milhões ao governo dos Estados Unidos por empregar imigrantes indocumentados. O acordo ocorreu após uma investigação realizada pela Homeland Security Investigations (HSI, ligada à Imigração e Alfândega).

Em um acordo de não acusação com a Procuradoria dos EUA, Speed ​​Fab Crete, uma construtora do Texas, admitiu que empregava ilegalmente indivíduos não autorizados a trabalhar no país e concordou em perder US$ 3 milhões para o Tesouro dos EUA para promover a promoção de atividades de aplicação da lei relacionadas à imigração.

Conforme o acordo, que exige que a Speed ​​Fab Crete coopere com o governo para garantir que não violará as leis de imigração no futuro, a empresa prometeu continuar usando o E-Verify, o sistema de verificação de elegibilidade para emprego baseado nas regras do governo federal; cumprir novos procedimentos de verificação interna; conduzir treinamento em toda a empresa sobre conformidade com a imigração; e disciplinar aqueles que tentam empregar trabalhadores não autorizados.

Publicidade
Curso de inglês

Os três proprietários da empresa, Carl Eugene Hall, Ronald Alan Hamm e David Leon Bloxom, são solidariamente responsáveis ​​pelo valor total se a Speed ​​Fab Crete não cumprir suas obrigações financeiras sob o contrato de não-acusação.

Hall se declarou culpado de conspiração para abrigar estrangeiros ilegais, um crime. Mark Sevier, proprietário da Take Charge Staffing, uma agência temporária usada pela Speed ​​Fab Crete, também se declarou culpado de conspiração para abrigar estrangeiros ilegais. Hamm, Bloxom e o diretor financeiro da empresa, Robert Edwin James, se declararam culpados por emprego de estrangeiros ilegais, um crime de contravenção.

Hall e Sevier podem pegar até cinco anos de prisão federal. Bloxom, Hamm e James podem ser condenados a até seis meses na prisão federal. Como parte dos acordos de confissão, cada acusado também deverá pagar uma multa de US$ 69 mil, que é o máximo legal.

Publicidade
CCA idiomas