Duas associações de condomínios processaram Virginia Beach e uma comunidade para idosos por causa do projeto de construção de um edifício. O argumento é de que o prédio tiraria dos atuais moradores a vista da Baía de Chesapeake.

Os residentes da Ocean Shore Condominium Association e da Ships Watch Condominium Owners ‘Association entraram com o processo na semana passada, um mês depois que o conselho da cidade aprovou a torre de vidro de 22 andares na propriedade da Westminster-Canterbury.

De acordo com a ação, o prédio proposto seria mais alto do que o código de zoneamento permite para comunidades de aposentados. O projeto agrega 217 unidades residenciais, 75 de vida assistida e 48 de cuidados com a memória. A construção durará aproximadamente quatro anos.

O Westminster-Canterbury substituirá os Condomínios Casa del Playa, o Lynnhaven Fishing Pier e o Lynnhaven Fish House Restaurant, que adquiriu nos últimos anos. Quando concluído, o campus oferecerá um total de 905 unidades habitacionais para idosos e 1.096 vagas de estacionamento na Shore Drive.

Os moradores do condomínio vizinho disseram que perderão a visão panorâmica e que as sombras do novo prédio irão privá-los de luz e diminuir o valor de seus imóveis durante o período de construção, de acordo com o processo.

Publicidade

Os demandantes alegam que os membros do conselho se recusaram a se reunir com os atuais residentes e deram tratamento preferencial à Westminster-Canterbury, participando de reuniões no escritório da organização e encaminhando e-mails para alertá-los sobre objeções ao projeto.

Município

A ação também sustenta que o município não impôs quaisquer condições ao empreendimento para amenizar os impactos negativos sobre o bairro. Segundo Julie Hill, porta-voz de Virginia Beach, a cidade defende a legalidade da aprovação do zoneamento e defenderá vigorosamente seus interesses. O Departamento de Planejamento da cidade informou que o conselho tem autoridade para determinar a altura do prédio proposto.

Ben Unkle, o CEO da Westminster-Canterbury na Baía de Chesapeake, afirmou que sua organização está confiante na força de sua posição legal. A expansão é necessária para enfrentar uma crise de habitação para idosos projetada na próxima década, acrescentou.

A expansão não pode avançar até que o município aprove as passarelas propostas no projeto de desenvolvimento e um pedido de realocação de um ponto de acesso público à praia na propriedade, que precisa do apoio de nove conselheiros. O conselho não tem votos suficientes para esta ação, pois três dos 11 membros do conselho declararam conflitos de interesse e não podem votar em questões relacionadas a Westminster-Canterbury.

(Com informações de Virginian Pilot)

Publicidade