Este ano, a tradicional Maratona do Corpo de Fuzileiros Navais (MCM) não acontecerá no mesmo modelo, adotando um formato diferente pela primeira vez em 36 anos de realização. Mas, mesmo ocorrendo de forma virtual, isso não impedirá a participação de seus corredores mais antigos, como é o caso de George Banker, de 70 anos.

“Sou uma dessas pessoas malucas. A única coisa que me preocupava era se teríamos algum tipo de corrida”, relata Banker, que começou a correr em 1982. Ele chegou a 120 maratonas no total, mas disse que a MCM sempre foi muito especial.

Isso se deve principalmente ao fato de seu pai e seu padrasto servirem no Corpo de Fuzileiros Navais – embora ele não o tenha feito. “Cumpri minha pena na Força Aérea”, recorda, rindo. “E você sabe que eu tive que me abaixar quando disse isso a eles”, completa.

Publicidade

Nem uma grande cirurgia cardíaca em 2017 foi capaz de parar o ávido corredor e agora, graças às corridas virtuais, a Covid-19 também não. “Posso dizer agora que fiz a Toronto [Maratona] virtual. Eu fiz o Des Moines Iowa virtual”, conta Banker, acrescentando que ele tem três maratonas virtuais adicionais planejadas para o próximo mês. “Eu estou correndo essa distância de qualquer maneira, então posso muito bem receber o crédito por isso”, considera.

Então, na manhã deste sábado (24), ele vai correr do MGM National Harbor até a ponte Francis Scott Key e voltar. Vai ser diferente de qualquer corrida anterior da MCM, mas ele não desanima. “Estou em 17º na lista (de todos os tempos), então, isso significa que só vou parar quando chegar ao topo”, promete.

(Com informações de Fox 5)

Publicidade