O governador Larry Hogan anunciou que o estado está instituindo um orçamento e congelando contratações em meio a estimativas de que Maryland está enfrentando um déficit projetado de US$ 2,8 bilhões devido à pandemia do Covid-19.

Entre as ações está o congelamento do orçamento.  Isso significa que todas as agências tiveram que interromper as compras discricionárias de itens ou serviços não relacionados à abordagem da pandemia ou necessários para apoiar as funções principais da agência.

Desde o dia 13 de abril, todas as vagas no ramo executivo do governo estadual estão suspensas, com exceção das que estão atualmente sujeitas aos esforços de resposta ao Covid-19.

O Escritório de Análise Orçamentária enviará metas de redução de orçamento das agências estaduais para o ano fiscal de 2021 dentro das próximas semanas. O governador também anunciou que é improvável que projetos de lei que exijam aumento de gastos sejam sancionados.

Publicidade

Alívio fiscal

Presidente da Associação Nacional de Governadores, Hogan encabeça um movimento que reivindica alívio fiscal aos estados por parte do Governo Federal. Ele e o governador Andrew Cuomo, de Nova York, vice-presidente, divulgaram uma declaração a respeito do pleito.

A nota agradece a colaboração do Governo Federal ao longo da crise. “Vimos progresso nas últimas semanas em relação a algumas de nossas principais necessidades, incluindo respiradores e a disponibilidade de EPI e suprimentos. Também somos gratos à administração por agilizar o financiamento de emergência por meio da Lei Cares”.

“Queremos agradecer ao presidente por se comprometer a trabalhar com os governadores. Com o vírus continuando a devastar nossas economias estaduais, os governadores solicitaram US$ 500 bilhões para resolver os déficits de receita. Sem esse alívio, os estados serão confrontados com a perspectiva de cortes nos serviços essenciais. Isso tornará muito mais difícil uma forte recuperação econômica, que é uma das principais prioridades do presidente e de todos os governadores.

“Agora não é hora de partidarismo. A liderança do presidente Trump é necessária para quebrar o impasse no Senado e fazer isso com o povo americano”, encerra o comunicado.

Publicidade