O programa de seguro-desemprego da Virgínia está na pior posição no país quando se trata de processar rapidamente solicitações que exigem revisão da equipe – um acúmulo que aumentou para mais de 90 mil casos, de acordo com a Comissão de Emprego do estado.

Os requerentes apanhados no limbo burocrático precisaram esperar até cinco meses para que o estado decidisse se seus pedidos eram válidos e começasse a emitir pagamentos. E no ritmo atual, os dados do Departamento do Trabalho dos EUA mostram que pode facilmente levar mais de um ano para um candidato esgotar o processo de apelação.

“Faz você se sentir sozinho e ninguém se importa”, afirma Leola Webb, uma funcionária de escritório de 36 anos que perdeu o emprego no norte da Virgínia quando a pandemia do coronavírus começou.

Ela solicitou o benefício no final de maio, mas disse que não recebeu ajuda e nenhuma palavra sobre se poderia esperar o seguro até a semana passada, quando o estado finalmente a contatou para determinar se ela saiu do emprego ou foi demitida.

Após cinco meses sem um contracheque regular, seu primeiro depósito chegou esta semana com milhares de dólares em atraso, mas Leola conta que o atraso e a falta de comunicação cobraram seu preço enquanto ela lutava para juntar dinheiro para o aluguel e contas. “Era como se ninguém estivesse ouvindo”, resume.

Publicidade

Uma onda de fechamentos de empresas a partir de março sobrecarregou os programas de seguro-desemprego em todo o país, mas a incapacidade da Virgínia de acompanhar os novos aplicativos e programas de benefícios está começando a se destacar.

No início deste mês, a Virgínia foi um dos últimos estados do país a emitir novos suplementos semanais de US$ 300 autorizados pelo presidente Donald Trump. Apenas quatro dos 49 estados que aderiram ao programa demoraram mais para começar a distribuir os pagamentos. Antes disso, a Virgínia foi um dos últimos estados a começar a oferecer benefícios estendidos para requerentes cujos pagamentos regulares de desemprego haviam expirado, um novo programa autorizado pela Lei Cares.

Dificuldades

A comissão atribuiu a ambos os atrasos a dificuldades de programação de seu sistema de computador da década de 1980, argumentando que eles estão indo tão bem quanto poderia ser esperado em face de um aumento sem precedentes de reivindicações que viram o estado processar mais de um milhão de solicitações de benefícios.

E em algumas frentes, o estado tem se saído bem. A grande maioria dos candidatos – 86% –  recebeu seu primeiro pagamento em três semanas, de acordo com dados coletados pelo Departamento do Trabalho dos Estados Unidos entre abril e setembro, que mostra que apenas quatro estados tiveram melhor desempenho. As autoridades estaduais frequentemente apontam para a estatística, pois respondem a um fluxo constante de reclamações sobre call centers lotados e longas esperas por ajuda.

(Com informações de Virginia Mercury)

Publicidade