Parecia uma sexta-feira normal em Virginia Beach, em Virginia. Mas essa sensação foi quebrada quando um funcionário veterano do Departamento de Serviços Públicos abrir fogo em um prédio no Centro Municipal da cidade, matando 12 pessoas antes que a polícia atirasse e o matasse.

Segundo o chefe da polícia de Virginia Beach, James Cervera, pelo menos quatro pessoas ficaram feridas no tiroteio, incluindo um policial que foi salvo pelo colete à prova de balas.

“O dia mais devastador da história de Virginia Beach”, disse o prefeito de Virginia Beach, Bobby Dyer, visivelmente abalado.

O tiroteio aconteceu pouco depois das 4 da tarde. “Ele imediatamente começou a atirar indiscriminadamente sobre todas as vítimas”, disse o chefe da polícia. Segundo ele, as vítimas foram encontradas em todos os três andares do prédio e uma do lado de fora. O atirador usou uma pistola de calibre 45 com um supressor, disse Cervera.  Ele não divulgou o nome do suspeito.

Ao chegar no local, a polícia retirou quantos funcionários pudessem, e depois trocou tiros com o suspeito, que acabou morto.

“Estávamos todos apavorados. Parecia que não era real, como se estivéssemos em um sonho. Estávamos apavorado porque tudo o que ouviamos eram os tiros”, Megan Banton, assistente administrativa

O prédio onde ocorreu o ataque fica em um complexo suburbano a quilômetros de distância dos hotéis altos ao longo da praia e da área de negócios do centro da cidade.

Publicidade

Os feridos foram enviados para o Hospital Geral Sentara Virginia Beach e um para o Centro de Traumatismo do Sentara Norfolk General Hospital, twittou Sentara Healthcare.

Cidade e autoridades ficam abaladas após ataque

“O dia mais devastador da história de Virginia Beach”, disse o prefeito de Virginia Beach, Bobby Dyer, visivelmente abalado. A Casa Branca disse que o presidente Donald Trump foi informado e está monitorando a situação.

Tiroteio em Centro Municipal de Virginia Beach acaba com 13 mortos 2

“O dia mais devastador da história de Virginia Beach”, disse o prefeito, Bobby Dyer, visivelmente abalado.

Megan Banton, uma assistente administrativa que trabalha no prédio onde o tiroteio aconteceu, disse que ouviu tiros, ligou para o 911 e bloqueou uma porta. “Tentamos fazer tudo o que pudemos para manter todos seguros”, disse ela.  “Estávamos todos apavorados. Parecia que não era real, como se estivéssemos em um sonho. Estávamos apavorado porque tudo o que ouviamos eram os tiros”, relembra.

Ela mandou uma mensagem para sua mãe, dizendo-lhe que havia um atirador ativo no prédio e ela e outros estavam esperando pela polícia. Banton trabalha em um escritório com cerca de 20 pessoas que faz parte do departamento de obras públicas.

 

(Com informações de Associated Press e NBC)

Publicidade