Anos depois que o serial killer Charles Severance aterrorizou Alexandria, na Virgínia, e foi condenado em três assassinatos, o promotor principal está compartilhando informações importantes sobre o caso. O advogado Bryan Porter comentou sobre como o assassino em série escolheu suas vítimas – e por que Severance se destacou em um bairro específico da cidade.

“Ele queria que fosse aterrorizante”, afirmou Porter, lembrando os anos que passou trabalhando na investigação e na acusação pelos crimes. Se alguém pode conhecer um homem sem falar com ele, Porter acredita que chegou perto – depois de ler milhares de páginas dos escritos de Severance.

Em 2016, um júri do Condado de Fairfax concordou com Porter que Severance era culpado de matar três pessoas em um período de 13 anos, começando com o assassinato da corretora Nancy Dunning em 2003.

Porter apoiou seu caso em evidências balísticas e da mesma maneira em que o planejador de transportes Ron Kirby e a professora de música Nancy Lodato foram mortos, exatamente como Dunning havia sido – baleados em plena luz do dia em suas portas da frente. O serial killer acabou condenado à prisão perpétua, mais 48 anos adicionais.

“Ele escreveu especificamente sobre o método, sobre as armas e munição; e não é difícil entender o que ele estava pensando. Mas, por outro lado, ele nunca nomeia as vítimas especificamente. Ele aponta para eles”, declara Porter.

Publicidade
Curso de Inglês Marcondes

 

Motivação

 

Os vizinhos de Alexandria há muito supõem que Nancy foi morta porque ela era casada com o então xerife Jim Dunning, que ficou sob suspeita após sua morte. O promotor confirma que o marido era o elo com Severance, mas em uma disputa de custódia entre o assassino e a mãe de seu filho. “Durante a batalha pela custódia, o juiz não permitiu que ele tocasse no filho. E Severance recebeu uma ordem protetora com o nome de Jim Dunning”, explica.

Mas foram os assassinatos aparentemente aleatórios de Kirby, em novembro de 2013, e Nancy Lodato, em fevereiro do ano seguinte, que levaram a comunidade de Alexandria ao limite. Porter entende que é da natureza humana querer entender o porquê de alguém morrer, mas segundo ele, as mortes das vítimas não tinham nada a ver com quem elas eram e sim onde viviam.

“Honestamente, e essa é uma opinião controversa, acho que ele estava escolhendo o bairro e procurava os idosos sozinhos em casa durante o dia, porque achava que era uma presa mais fácil para ele. E se você pensar bem, naquele bairro, qualquer pessoa que esteja em casa às 11 em um dia da semana provavelmente será rica. Eles provavelmente serão aposentados. Se você é rico e aposentado, isso significa que você provavelmente tem conexões na cidade”, aponta Porter.

Severance morava em Park Fairfax, nos arredores do bairro, onde matou todas as três vítimas que moravam a menos de um quilômetro uma da outra. O assassino precisava atravessar o bairro para voltar para casa. “Ele era um tipo de pária. Tinha um apartamento de um quarto, não conseguiu um emprego, teve um relacionamento muito breve com as mulheres e elas o deixaram, não tinha dinheiro”, descreve Porter.

 

(Com informações de WTop)

Publicidade
Curso de inglês