Agentes do U.S. Immigration and Customs Enforcement (ICE), Enforcement and Removal Operations (ERO), prenderam quatro brasileiros de um total de 19 imigrantes indocumentados com passagem pela polícia em vários condados de Massachusetts, informou o ICE em comunicado. Todos os detidos foram colocados em processo para deportação.

A operação durou quatro dias e teve como alvo imigrantes indocumentados com antecedentes criminais como posse de crack, cocaína e heroína, invasão de domicílio, vandalismo, agressão armada e falsidade ideológica.

Os presos durante a ação são oriundos de sete países diferentes – Bahamas (um), Brasil (quatro), Cabo Verde (quatro), República Dominicana (seis), França (um), Guatemala (um) e Haiti (dois).

Dentre os brasileiros está uma mulher que foi detida no dia 4 de novembro em Weymouth. Ela tem acusações pendentes de agressão com intenção de matar e duas acusações de agressão perigosa. Ela permanecerá em custódia do ICE, aguardando um processo de remoção.

Publicidade
Curso de inglês

Muitos desses indocumentados tinham sido libertados da custódia policial local nas comunidades de Massachusetts sem notificação ao ICE, que reforça a importância de cooperação entre a polícia local e as agências de imigração.

“Quando as agências policiais não honram os detentos do ICE, esses indivíduos, que geralmente têm antecedentes criminais significativos, são libertados para a rua, apresentando uma ameaça potencial à segurança pública”, disse Todd Lyons, vice-diretor do escritório de campo do ICE ERO em Boston.

Ele confirmou que existe um aumento nas operações em cidades onde a polícia não coopera com a Imigração. “As jurisdições locais que optarem por não cooperar com o ICE provavelmente verão um aumento na atividade de fiscalização, pois a agência não tem escolha a não ser realizar mais operações de prisão em geral. Assim é provável que a agência encontre outros estrangeiros presentes ilegalmente que não teriam sido encontrados se tivéssemos permissão de custódia de um alvo criminal dentro dos limites de uma prisão local”, afirmou.

 

(Com informações de Gazeta News)

 

 

 

 

Publicidade
CCA idiomas