Vivendo nos Estados Unidos desde 1º de abril de 2018, o brasileiro Bruno Padua Silva foi deportado pela Imigração e Alfândega, sigla em inglês ICE, dos EUA, no último dia 2 de dezembro.

Apesar de ter entrado no país como não imigrante e não partir de acordo com os termos de sua admissão, este não foi o motivo da remoção. Pádua tem um mandado de prisão em aberto no Brasil desde 20 de setembro de 2018, pela acusação de homicídio.

O brasileiro foi escoltado por oficiais do ICE no voo de remoção e entregue às autoridades brasileiras.

Em 12 de setembro de 2019, os oficiais da ICE prenderam Pádua sem incidentes fora de sua residência em Long Branch, Nova Jersey. Na mesma data, os oficiais do ICE enviaram um aviso para Pádua e o colocaram em processo de imigração.

Publicidade

“Esse indivíduo não apenas violou os termos de sua permanência nos EUA, mas também foi um perigo potencial para a comunidade, como evidenciado pela acusação de homicídio que enfrenta em seu país”, disse Ruben Perez, diretor interino do escritório de campo da Operações de Imposição e Remoção (ERO) de Newark.

“Os oficiais da ICE devem ser elogiados por seu trabalho diligente e corajoso na localização, prisão e remoção deste indivíduo dos EUA“, acrescentou.

Um juiz de imigração em Newark ordenou a remoção de Pádua dos EUA para o Brasil em 16 de outubro de 2019, e Pádua renunciou a seus direitos de apelar.

Publicidade