O sol brilhou durante todo o final de semana em Baltimore, o momento perfeito para mergulhar na piscina pública do Patterson Park ou percorrer seus amplos campos verdes. Mas algumas famílias no bairro adjacente de Highlandtown estavam nervosas demais para se aventurar fora de suas casas no sábado (22) ou no domingo (23).

A apreensão aumentou depois que o presidente Donald Trump ameaçou iniciar uma deportação em massa, que atingiria milhões de pessoas nos Estados Unidos. “Muitos imigrantes têm medo de sair, medo de deixar seus filhos irem ao parque brincar”, relata Tiffany Nelms, diretora executiva do Asylee Women Enterprise, que ajuda os requerentes de asilo.

Em Highlandtown e outros bairros de Baltimore que abrigam muitos imigrantes, o recente fracasso da administração Trump em um ataque planejado de deportação alimentou medo e incerteza.

Desde a semana passada, Heidi, uma mãe guatemalteca de três filhos, tem tomado precauções, optando por não deixar sua casa em Northwest Baltimore, a menos que seja necessário, informando-se de seus direitos e se conectando com um advogado.

“Você nunca sabe com esse presidente, tudo muda de um momento para o outro. Portanto, não sabemos o que esperar, mas é bom estar preparado ”, disse a mulher de 37 anos em espanhol. Ela pediu que seu sobrenome não fosse usado por medida de segurança.

Ameaça

Os meios de comunicação informaram na semana passada que os ataques da Imigração e Alfândega (ICE) deveriam começar no domingo em dez cidades do país, incluindo Baltimore. Mas um tweet do presidente Donald Trump anunciou no sábado um atraso de duas semanas para permitir que o Congresso trabalhe nas reformas de imigração.

Publicidade
Curso de inglês

O representante de Maryland, Elijah Cummings, um democrata, disse estar aliviado pelo fato de o governo Trump não ter conduzido os ataques planejados contra famílias migrantes para deportação no fim de semana passado.

“As famílias teriam sido separadas, o que é inaceitável e imoral. A América deve permanecer melhor que isso. No entanto, não podemos baixar a guarda – o próprio presidente afirmou que isso era apenas um atraso. Exorto o presidente a abandonar totalmente a sua política de imigração imprudente e cruel e trabalhar com o Congresso para desenvolver um plano abrangente de imigração que garanta que as famílias permaneçam juntas”, sugere Cummings.

A mensagem de Trump apenas prolongou as ansiedades dos imigrantes que vivem em Baltimore, dizem os defensores. “Isso coloca todo mundo no limite pelo resto do verão”, considera Chad Kramer, diretor da Patterson Park Public Charter School. As notícias de um ataque iminente ocorreram exatamente no final do ano letivo.

Negócios são impactados

De trás da janela de um caminhão de comida estacionado na Broadway, Daisy Galarza conta que os negócios mudaram nos últimos dias. “Nós vemos menos pessoas na rua. Eles estão vindo para pegar comida e ir embora ”, relata.

Segundo ela, muitas pessoas só saem de casa para fazer viagens rápidas até a mercearia e ir trabalhar. Alguns estão decidindo deixar de trabalhar, comenta a comerciante, porque estão com medo. Daisy Galarza está legalmente no país, depois de sair do México. “Precisamos ficar aqui, para sustentar nossas famílias”, pondera.

 

(Com informações de Baltimore Sun)

Publicidade
CCA idiomas