Um domingo nublado, dia propício para ficar em casa após uma semana cansativa de trabalho. Isso parece algo comum para pessoas que deixam o país de origem em busca de uma vida melhor. Mas, um grupo de brasileiros vai além disso e representa o país nos campos de futebol amador nos Estados Unidos. Eles fazem parte do União Brasil e juntos somam títulos e grandes histórias.

Dois dos mais antigos no time, Fernando de Oliveira e Edivaldo Cardoso vivem fora do Brasil há 15 anos. Eles lembram que o início do movimento foi em Germantown. “Edivaldo e eu morávamos na mesma cidade lá no Brasil. Jogamos e disputamos muitos campeonatos no mesmo time. Viemos na mesma época para os Estados Unidos e aqui mantivemos o hábito de jogar futebol”, relembra Fernando. Ele conta que na época não havia times apenas com jogadores brasileiros. “Jogávamos em times com hispanos. Até que fomos conhecendo outros brasileiros que também jogavam e montamos um time”, relembra.

“Não tem preço estar com os amigos fazendo umas das coisas que eu mais gosto: jogar futebol”, Fabrício Felisberto Réus.

União Brasil leva o talento brasileiro aos campos de futebol dos EUA 1

Edivaldo joga sempre bem marcado.

Apesar de jogarem juntos há muito tempo, somente em 2007 o time se intitula União Brasil, e um dos criadores é o mais experiente entre os jogadores. Rodnei da Rocha tem 49 anos, é natural de Criciúma (SC) e vive fora do Brasil há 18 anos. “Jogo campeonatos desde os 13 anos. Disputei campeonatos de ligas regionais de Criciúma e região, conquistando alguns títulos e tendo a alegria de jogar com grandes jogadores do Sul do Brasil”, relembra. Rodnei conta que ao chegar nos EUA não abandonou o hábito de jogar futebol. “Quando eu cheguei aqui me encaixei com os hispanos para jogar. Então começamos a nos reunir para tentar criar um time apenas com brasileiros e foi quando criamos o União Brasil”, relembra Rodnei, que releva que será o último ano participando como jogador. “Seguimos sempre tentando melhorar e renovar e por isso penso em parar, já estou com 49 anos. Com certeza vale a pena cada esforço para vir ao jogo. Aqui é o nosso spa. As vezes tem uma briguinha no meio do jogo mas logo passa e seguimos nos divertindo. Começo a semana renovado”, finaliza.

No último jogo o time brasileiro conseguiu uma vitória de virada por 2 a 1. Um dos gols, o de empate, saiu dos pés de Fabrício Felisberto Réus. Ele vive há 14 anos nos EUA mas participa do time há sete. “Não tem preço estar com os amigos fazendo umas das coisas que eu mais gosto: jogar futebol”, conta. E a fama do bom futebol brasileiro é algo que os acompanham a cada jogo. “Os outros times respeitam a tradição brasileira no futebol. Quando eles chegam para jogar e veêm que é um time brasileiro eles dão tudo de si”, enfatiza Fabrício.

União Brasil leva o talento brasileiro aos campos de futebol dos EUA 2

Antes, no intervalo e após o jogo é a hora da resenha.

Sacrifícios que valem a recompensa

O segundo gol, que definiu a vitória dos brasileiros, saiu dos pés de Diego C. Soares, natural de Salvador (BH). Ele é o mais novo no time, participa há apenas 4 meses, e saiu do jogo direto para o trabalho. “Vale a pena o sacrifício. Além de jogar futebol, que é algo que gosto muito, tem também os amigos e o bate-papo a cada jogo”, destaca.

Publicidade
Curso de Inglês Marcondes

O elenco é composto por 15 jogadores que precisam se esforçar para participar das competições. Isto porque o time disputa vários campeonatos simultaneamente e tem jogos nas terças-feiras, quintas-feiras e domingos. Segundo Fabiano Belletini, natural de Praia Grande (SC), que participa do time há 4 anos, os jogadores muitas vezes precisam fazer alguns sacrifícios para dar conta do calendário. “Lembro de uma vez que sai de casa às 6 da manhã para trabalhar em Virgínia. Trabalhei até as 18 horas, passei em casa e enfrentei duas horas dirigindo para poder chegar no jogo. No outro dia meu corpo estava cansado mas minha mente estava relaxada, sem estresse”, relembra.

Time já enfrentou equipes profissionais

Dentre os vários campeonatos que o time disputa o maior é o Virginia Beach US Open National Championship, em Virginia, que conta com a participação de times profissionais dos EUA e de outros países. Um jogo em especial ficou na memória de Fabiano. “Enfrentramos o time oficial de areia do Barcelona. Foi realmente um grande momento e uma grande experiência jogar contra eles”, conta.

Quem tem boas lembranças do Virginia Beach US Open é Jairo Cardoso. Ele participou da competição jogando por outro time e conquistou um dos melhores títulos de sua caminhada futebolística. “Pude conquistar o título jogando por outro time. Esses campeonatos tem um nível muito alto. Alguns times trazem jogadores profissionais que participam até de seleção”, revela Jair.

Parceria dentro e fora de campo

E se todos são parceiros dentro de campo, depois que acaba o jogo a parceria continua. Os encontros além de descontraídos também reforçam a amizade e, sempre que alguém precisa de ajuda todos se mobilizam. “Teve uma vez que um se machucou no jogo. Ele teve problemas pois não podia trabalhar. Nos reunimos e fizemos uma vaquinha para ajudá-lo”, relembra Fabrício.

Veja alguns dos melhores momentos da partida.

Publicidade
Curso Design de Cobrancelhas